Home

Últimas notícias

 

Palestra CNM – Caminho da Mata Atlântica – Uma grande trilha reconectando pessoas, florestas e áreas protegidas

O Clube Niteroiense de Montanhismo (CNM) está promovendo um palestra em conjunto com o Caminho da Mata Atlântica, a qual será apresentada as oportunidades das trilhas de longo curso como ferramentas para uma sociedade mais sustentável.

Dentre os benefícios imediatos das trilhas destacam-se o incentivo às atividades físicas em ambientes naturais, o engajamento de voluntários, o incentivo à cadeia produtiva e os benefícios das trilhas como promotoras da restauração de corredores de biodiversidade.

Esses temas serão debatidos no âmbito de Caminho da Mata Atlântica, trilha com mais de 4.000 km ao longo de todo o corredor de diversidades da Serra do Mar.

Pesquisa sobre lesões na escalada

Participe da pesquisa  relacionada a ocorrência de lesões no esporte.

A pesquisa visa conhecer melhor o perfil das lesões que ocorrem em escaladores e os métodos utilizados para tratamento e prevenção.

Sua participação é muito importante e pedimos que divulgue e incentive outros praticantes a responderem o questionário.

COVID-19: RECOMENDAÇÕES PARA A PREVENÇÃO E FUTURA PRÁTICA DAS ATIVIDADES DE MONTANHISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

A União Internacional de Associações de Alpinismo (UIAA), da qual a Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada (CBME) é membro, estabeleceu uma força tarefa denominada COVID-19 Crises Consultation (CCC) para tratar do impacto da crise nas atividades de montanhismo no mundo. Observa-se que, em diversos países com tradição no montanhismo, as atividades na montanha estão sendo retomadas observando o planejamento de flexibilização dos seus governos, que geralmente ocorrem quando a curva da pandemia se apresenta consistentemente decrescente.

No Brasil, as fases de flexibilização em relação ao isolamento também estão em andamento, todavia o quadro é de grande incerteza frente aos indicadores nacionais da pandemia, que ainda se apresentam elevados. No Estado do Rio de Janeiro o quadro é igualmente incerto, os indicadores também estão altos, porém medidas governamentais de flexibilização são constantemente anunciadas. Algumas prefeituras já divulgaram suas propostas de abertura, entre elas, algumas de municípios relevantes para a prática do montanhismo, como o Rio de Janeiro, Niterói e Petrópolis. 

Embora exista ansiedade em retomar as atividades de montanhismo, com o quadro de incerteza no Estado, a retomada deve ser realizada em momento oportuno e de forma lenta e gradual, possibilitando um melhor monitoramento dos indicadores e os ajustes necessários nas medidas de prevenção. A retomada precipitada e com planejamento inadequado poderá levar a um retrocesso nas medidas de flexibilização, agravamento dos quadros e potencial aumento de mortes.

Dia Mundial do Meio Ambiente

Como cidadãos e montanhistas, devemos não apenas desfrutar dos prazeres que a natureza nos proporciona, como também lutar por um meio ambiente mais equilibrado.


Neste dia mundial do meio ambiente, a FEMERJ traz um fragmento do documento de princípios e valores do Montanhismo Brasileiro da Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada (CBME), nosso órgão máximo do montanhismo nacional, e convida a todos a ler o documento na íntegra, disponibilizado em nosso site oficial.

Montanhismo e COVID-19 – Atualizações da Federação de Esportes de Montanha do Estado do Rio de Janeiro (FEMERJ)

Enquanto Federação, temos recebido inúmeros relatos de pessoas praticando montanhismo nesta época de incertezas. Neste âmbito, a FEMERJ não possui poder de polícia, tão pouco de órgão fiscalizador. Neste cenário, o papel da Federação mantém-se intacto, no que tange às recomendações, considerando as diretrizes éticas e de boas práticas no esporte.

Recentemente, um comunicado com as recomendações considerando o cenário de pandemia devido à COVID-19 foi amplamente divulgado, no intuito de nortear as ações dos praticantes de esportes de montanha, o qual pode ser lido na íntegra no nosso site. 

Montanhismo e COVID-19 – Nota da Federação de Esportes de Montanha do Estado do Rio de Janeiro (FEMERJ)

Considerando o cenário de pandemia devido à COVID-19, a FEMERJ recomenda a todos os montanhistas e entidades filiadas que sigam rigorosamente as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e dos órgãos de saúde locais (Ministério da Saúde, Governos Estaduais e Prefeituras).

 

Vivemos em um momento no qual as decisões pessoais impactam diretamente no destino de várias outras pessoas. Isto porque a transmissão do vírus ocorre mesmo que o infectado não apresente sintomas (não tendo sua infecção contabilizada) – as estimativas são de que 79% dos doentes foram contaminados por pessoas que não foram contabilizadas como infectadas.1

 

Mas o que isso tem a ver com o montanhismo?