Ameaça às escaladas nos Dois Irmãos do Leblon

Sérgio Tartari na clássica Baden Powell, no Irmão Maior do Leblon, cujo acesso se encontra ameaçado (foto: André Ilha)

Veja o que você pode fazer no final da nota.

Desde de 2016, a FEMERJ vem participando do processo de elaboração do Plano de Manejo do Parque Natural Municipal do Penhasco dos Dois Irmãos, na Cidade do Rio de Janeiro.  A Femerj recebeu a minuta do plano de manejo no final de janeiro de 2018 e, através do documento FEMERJ-MAN-2018-02, encaminhado pelo Ofício 38/2018, apontou problemas e incongruências na minuta e propôs mudanças para melhor adequar o plano à categoria parque e compatibilizar a visitação com a conservação de forma mais eficiente.

Um dos problemas é que, na versão original do plano de manejo, a visitação estava proibida em mais 85% da unidade, incluindo o acesso para todas as vias de escalada das faces leste, nordeste e norte do Irmão Menor do Leblon (excetuando a Paulista) e para algumas vias da face leste, nordeste e norte do Irmão Maior do Leblon, totalizando 26 vias.

Depois de reuniões no conselho consultivo do parque e a criação de uma câmara técnica (CT) para debater os comentários e sugestões apontados pelo documento da FEMERJ, chegou-se a alguns pontos de aparente consenso. Entretanto a gestão da unidade desconsiderou os pontos consensuados e, embora o debate na CT tivesse apenas ocorrido uma vez, após manobras junto ao conselho consultivo (Ofício 39/2018), a gestão da unidade solicitou a publicação do Plano de Manejo nos moldes originais, com a retificação de permitir a visitação de em toda zona de conservação e não apenas em 15% do Parque.

Embora seja confuso como ficou o texto final do plano, essa mudança faz com que a visitação seja ampliada para cerca de 50% no Parque, mas ainda inviabiliza o acesso a diversas escaladas, incluindo toda a face norte do Irmão Menor e a clássica Baden Powell. Além disso, segundo essa versão do plano, será necessário agendar previamente para escalar, sobrecarregando de burocracia tanto a gestão do parque, que já não dá conta das demandas atuais, como os visitantes, e aumentando também a responsabilidade da gestão sobre a prática da atividade na área, algo indesejado tanto para a gestão, como para os praticantes.

Por fim, quase 50% do parque ainda estão classificados como Zona de Preservação (zona intangível, onde a visitação é proibida), o que é um contrassenso com o próprio conceito de “parque”. Só para ilustrar, o Parque Nacional da Tijuca e Monumento Natural do Pão de Açúcar não possuem zonas intangíveis e são UCs muito mais visitadas que o PNM Penhasco Dois Irmãos. Além disso, as recomendações da IUCN (entidade internacional referência em temas de UCs) indicam que um parque deve dedicar pelo menos de 75% de sua área para atender seus objetivos, entre os quais está a visitação.

A Femerj em parceria com o Acceso PanAm continua lutando para evitar essas distorções tanto no Plano de Manejo, como no próprio processo participativo, mantendo a negociação com a Gerência de Unidades de Conservação da Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente (RJ), que se encontra aberta ao diálogo.

Para saber mais: primeira notícia.  Leia também o artigo de André Ilha no O Eco sobre o caso.

O que você pode fazer?

  1. Divulgue uma foto sua escalando no Irmão Menor ou Maior e use #Acesso2Irmaos e #AcessoasMontanhas – Não esqueça de usar a # para podermos mensurar a campanha!
  2. Grave um vídeo de até 90 segundos falando: “A escalada no Dois Irmãos não pode ser proibida porque…” Ao compartilhar nas redes sociais, use#Acesso2Irmaos  e #AcessoasMontanhas – Não esqueça de usar a # para podermos mensurar a campanha!
  3. Mostre sua indignação para a Secretaria de Meio Ambiente através do e-mail da Assessoria de Comunicação Social: imprensa.seconserma@gmail.com.
  4. Compartilhe nas suas redes sociais!

Anexos ao Ofício 39/2018:
Oficio-2018-39-Anexo I
Oficio-2018-39-Anexo II
Oficio-2018-39-Anexo III

Veja também o e-mail enviado ao Conselho Consultivo do Parque Natural Municipal Dois Irmãos em 08/10/2018.

FEMERJ INFORMA:

FEMERJ INFORMA: Caminhante perdido no PDA
Precisamos de voluntários urgentemente

Luiz Otávio Guinle, 48 anos, está desaparecido na região do Pão de Açúcar desde 29/08, às 10h.

Pedimos que todos que conheçam a região e estejam disponíveis compareçam hoje, na hora e local indicados abaixo, para auxiliar nas buscas.

Dia: 30/08/2018
Hora: 16:00
Local: entrada da pista Cláudio Coutinho, Urca Contato: Amarildo Chermont.

Leia mais

Nota de falecimento

Nota de falecimento

A FEMERJ lamenta profundamente a notícia de falecimento do grande montanhista Tadeusz Hollup, do CEC – conquistador arrojado e pessoa super carismática e gentil, um dos grandes nomes da história do Montanhismo carioca, participou da conquista de vias clássicas como a chaminé Galotti e a Secundo Costa Neto.

Nossos sentimentos à família e agradecimento pela oportunidade de conhecê-lo e usufruir de suas conquistas.

Sua memória estará sempre viva nas montanha do Rio de Janeiro. Muito obrigada, Tadeusz!

 

FIM-TE Informa:

FIM-TE Informa:

A FEMERJ foi alertada sobre uma ancoragem com chumbamento químico (com cola) que soltou na via “Ácido Lático”, na falésia dos Ácidos, Praia Vermelha / Urca.

Recomendamos atenção na repetição desta via e na via “Ácido Clorídrico” que possuem grampos de Titânio até que se tenha novas informações sobre o estado destas ancoragens.

Sobre manutenção de vias de escalada, relembramos que a manutenção de vias de escalada é feita de forma voluntaria pelos próprios escaladores.

A FEMERJ fomenta a manutenção de vias de escalada através do Fundo de Incentivo ao Manejo de Trilhas e Escalada – FIM-TE .

Ressaltamos que a escalada é um esporte de risco – acidentes podem acontecer e cada escalador é responsável por sua própria segurança.